Imprimir

Curso: Bacharelado em Direito
Disciplina: Redação e Linguagem Jurídica
Semestre: Primeiro Pré-requisito:
Carga horária semanal: 04 Carga horária semestral: 80

 

Ementa:
Organização do pensamento e desenvolvimento da capacidade de expressão oral e escrita em Língua Portuguesa. Regras gramaticais e redação. Níveis morfossintáticos e semânticos da linguagem. A importância do conhecimento dos fundamentos da expressão oral e escrita para o desenvolvimento da atividade jurídica. Linguagem escrita e oral retórica forense. A estrutura e composição do discurso jurídico. A eloqüência no falar jurídico. A oratória forense.

 

Conteúdo Programático:

UNIDADE I – ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO JURÍDICO.
1.1 – conceitos de comunicação;
1.2 - elementos da comunicação;
1.3 - funções da linguagem;
1.4 – níveis de linguagem;
1.5 – Comunicação oral e escrita eficaz;
1.6 – O ato comunicativo jurídico.

UNIDADE II – TEXTUALIDADE
2.1 – Texto e discurso;
2.2 – Tipologia textual: a narração; a descrição; a dissertação; a argumentação;
2.3 – Gêneros textuais: a lei, a procuração, o requerimento; a petição inicial; o resumo;
2.4 - Linguagem jurídica;
2.5 – Vocabulário jurídico

UNIDADE III - A ORGANIZAÇÃO TEXTUAL
3.1 – Coesão e coerência textuais;
3.2 – Principais elementos de coesão no discurso jurídico;
3.3 – O parágrafo e o tópico frasal;
3.4 - O parágrafo descritivo na redação jurídica;
3.5 –O parágrafo narrativo na redação jurídica;
3.6 –O parágrafo dissertativo na redação jurídica;
3.7 - Raciocínio e argumentação.

UNIDADE IV – A RETÓRICA E O DISCURSO FORENSE
4.1 - A retórica clássica;
4.2 – A retórica moderna: raciocínios e figuras de pensamento no discurso forense.

UNIDADE V – A ORATÓRIA FORENSE
5.1 – Persuadir ou convencer;
5.2 - Orador X plateia;
5.3 – Recursos de oratória.

 

Bibliografia Básica:
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. Ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.
CITELLI, Adilson. Linguagem e Persuasão. 16. Ed. rev. e atual. São Paulo: Ática, 2005. (Princípios; 17).
CUNHA, Celso; CINTRA, Lindesley. Nova gramática do português contemporâneo: de acordo com a nova ortografia. 5. Ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

Bibliografia Complementar:
FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 11. Ed. rev. e atual. São Paulo: Ática, 2006. (Princípios; 206).
KOCH, Ingedore G. Villaça. Argumentação e Linguagem. 10. Ed. São Paulo: Cortez, 2006.
MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar. Português Instrumental: de acordo com as normas da ABNT. 25. Ed. São Paulo: Atlas, 2004.
MEDEIROS, João Bosco. Português instrumental: contém técnicas de elaboração de trabalho de conclusão de curso (TCC). 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2007.
NASCIMENTO, Edmundo Dantes. Linguagem Forense: a linguagem portuguesa aplicada à linguagem do foro. 11. Ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2007.
SILVA, De Plácido E. Vocabulário Jurídico. 27. Ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2006.
R, HilDEBRAND A. Dicionário jurídico: principais expressões de uso cotidiano, termos e palavras latina na prática forense. 3. Ed. São Paulo: J. H. Mizuno, 2006. OBS: 5.ex. 3.ed/ 1ex. 6.ed Brasil. Dicionário jurídico. 2. Ed. Rio de janeiro: América jurídica, 2006.
DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antonio. Curso de português jurídico. 10. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.
SCHOCAIR, Nelson Maia. Português jurídico: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
PETRI, Maria Jose Constantino. Manual de linguagem jurídica. São Paulo: Saraiva, 2008.
ABREU, AntonioSuárez. A Arte de Argumentar: gerenciando razão e emoção. 13. Ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.