Imprimir

Curso: Enfermagem
Disciplina: PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
Semestre: Segundo Pré-requisito:
Carga horária semanal: 03 horas Carga horária semestral: 60

 

Ementa:
Saúde como modo de vida. A relação indivíduo/sociedade e saúde, seus determinantes e condicionamentos sociais, culturais e comportamentais. A compreensão do homem em suas dimensões social e cultural, e sua relação com o processo saúde-doença. Fenomenologia do homem: vida humana; conhecimento; vontade; linguagem; cultura; trabalho. O papel mediador do universo simbólico na construção social do processo saúde-doença. O normal e o patológico. Processo saúde-doença na abordagem antropológica. A sociedade moderna e a emergência do pensamento sociológico. Características da sociedade moderna: urbanização e massificação; status e classe social; poder e dominação. A sociologia como ciência e os problemas sociais contemporâneos: a divisão social do trabalho e as relações de classe; crescimento urbano, pobreza e marginalidade. Patologias sociais. A medicina social e a instituição hospitalar.

 

Conteúdo Programático:

UNIDADE I: CONDICIONANTES HISTÓRICOS
• Evolução histórica do processo saúde-doença no contexto da sociedade;
• A doença, o sofrimento e as perturbações: possibilidades de compreensão dos fenômenos no campo da antropologia e sociologia da saúde;
• Vigilância à saúde: concepção teórica e metodológica de intervenção no processo saúde-doença.

UNIDADE II: CORPO E CULTURA
• O corpo como fenômeno cultural o longo da história;
• O processo cultural e societário em Marx, Weber, Durkheim e Husserl;
• As crenças culturais;
• A cultura na compreensão do processo saúde-doença;
• O valor cultural de doenças e o significado individual do adoecimento;
• O corpo vivenciado na enfermagem.

UNIDADE III: O PROCESSO DE SAÚDE-DOENÇA NA SOCIEDADE MODERNA
• Aspectos fundantes da sociedade moderna (industrialização, massificação, classes sociais, etc);
• Representações sociais presentes no processo saúde-doença;
• Desigualdades sociais e patologias sociais;
• Instituições e equipamentos sociais: o processo saúde-doença nas instituições (valor, estigmas e tabus);
A percepção das pessoas com desabilidades e em situações de desvantagem sobre: o processo saúde-doença e as mudanças nos itinerários de vida, a construção de percursos terapêuticos e as relações entre as necessidades das pessoas e as proposições das políticas públicas, em particular, dos serviços de saúde.

 

Bibliografia Básica:
ESLAVA ALBARRACIN, Daniel Gonzalo. Saúde-Doença na Enfermagem: Entre o Senso Comum e o Bom Senso. Goiânia: AB, 2002.
GUALDA, Dulce Maria Rosa; BERGAMASCO, Roselena Bazilli. Enfermagem, Cultura e o Processo Saúde-Doença. São Paulo: Ícone, 2004.
HELMAN, Cecil, G. Cultura, Saúde e Doença. Porto Alegre: Artmed, 2003

Bibliografia Complementar:
COSTA, Cristina. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo: Moderna, 2005.
ALVES, Paulo César; RABELO, Mirian Cristina. Antropologia da Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.
LINTON, Raph. O Homem: uma introdução à antropologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2000.
ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar de. Epidemiologia e Saúde. São Paulo: Medsi, 2003.